Carrinho 0

Autismo em meninas é grave, mas pode passar despercebido

criança especial crianças deficiência auditiva

Estudo norte-americano mostra que as habilidades comunicativas do sexo feminino "disfarçam" o impacto do transtorno no cotidiano delas. Entenda!

O autismo é bem mais comum em meninos, mas as meninas também são impactadas pelo transtorno. Só que, no caso delas, flagrar o distúrbio no consultório pode ser bem mais difícil. Isso é algo já bastante comentado pelos especialistas, mas agora foi demonstrado por  um novo estudo do Sistema Nacional de Saúde da Criança (Children’s National Health System – NHS), dos Estados Unidos, publicado no início de janeiro de 2018 no Jornal do Autismo e Distúrbios do Desenvolvimento.

Para chegar à conclusão, os pesquisadores submeteram 228 crianças autistascom a mesma idade e QI (coeficiente de inteligência) aos testes geralmente usados para identificar o autismo. E as meninas, embora demonstrassem resultados similares aos dos meninos, sofriam mais no dia a dia. É como se elas disfarçassem as dificuldades sociais encontradas – o que na prática dificulta o diagnóstico.

autismo infantil

“Isso pode significar que meninas que têm o mesmo diagnóstico que os meninos estão, na verdade, sendo mais afetadas por dificuldades que não encontramos nos testes clínicos”, disse Allison Ratto, psicóloga e autora principal do trabalho, em comunicado à imprensa.

As particularidades do autismo nas meninas

O assunto ainda está sendo desvendado pela ciência, mas não há dúvidas de que merece atenção. “O cérebro feminino tem uma inteligência social maior do que a dos meninos, então o transtorno pode mesmo ficar camuflado nelas”, aponta Clay Brites, neuropediatra do Instituto NeuroSaber, em Londrina, no Paraná.

“Além disso, parece haver um fator protetor contra o autismo nelas, então quando de fato são afetadas, o quadro é mais grave”, completa Brites. Prova disso são os relatos dos pais sobre traços de autismo e capacidade adaptativa dos filhos colhidos no trabalho norte-americano. Segundo os depoimentos, as garotas parecem lutar mais para realizar atividades diárias simples, como trocar de roupa e manter conversas banais.

Um estudo anterior da mesma instituição já havia mostrado o impacto do autismo no sexo feminino na realização de tarefas e capacidade de se adaptar. O próximo passo é entender como descobrir de maneira mais eficaz o transtorno nelas, já que o diagnóstico precoce faz toda a diferença no sucesso do tratamento.

Texto retirado do site Bebê Abril

Postagens Relacionadas



Postagem anterior Postagem seguinte


Deixe um comentário

Observe que os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados